terça-feira, 2 de março de 2010

Vadio

Triste, roto, esfarrapado,
mero espectro de gente,
errante, vadio, esgotado,
tenta ser sobrevivente.

Sedento, exausto, perdido,
é marginal e vagabundo.
Solitário, enlouquecido,
É um "bicho" deste mundo.

Arrasta-se pela rua, furtivo.
É eco da própria história.
A má sorte fê-lo cativo.
De risos não tem memória.

Nós damos sopa, café, pão coado,
algo que sabemos ser pouco
a quem o sonho foi roubado
e a miséria torna louco!

É vê-lo estendido no chão,
a noite a fazê-lo gelado.
Cobre-se com placas de cartão
e no meio da escuridão,
adormece esfomeado.

Hipócrita, cínico, imoral,
falso, odioso, o "bom cristão"!
Marca presença na igreja,
mas ao pobre não estende a mão!

É rápido a condenar,
o dedo aponta com destreza,
mas nunca o mandem ajudar,
pode-lhe fugir a riqueza!

Tire-se o véu do certo e do errado
que pesa sobre gente perdida
e o vagabundo desdentado,
outrora um menino amado,
pode voltar a ter vida!



Estes versos foram inspirados num texto fantástico do Pedro Viegas no 1000 Conversas- "Na viela da saudade"

13 comentários:

  1. Olá Diabinhos Fora

    Ler este belo poema, retrato fiel cada vez mais vulgar infelizmente nas nossas cidades, onde o ser humano desce ao ultimo patamar da dignidade enquanto ser humano, e se coloca à margem quiçá empurrado pela vida. Ao ler este poema não posso deixar de refletir no quanto ele é tocante e deixar esta bela estrofe no ar

    "Tire-se o véu do certo e do errado
    que pesa sobre gente perdida
    e o vagabundo desdentado,
    outrora um menino amado,
    pode voltar a ter vida!


    Que bom seria que assim fosse...

    Parabens adorei
    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Um tema actual e que corre gerações sem fim. Alguns, como nós, olhamos esta situação de frente, outros desviam-se para não serem incomnodados.
    Obrigado pelas palavras simpáticas.
    Jp
    1000Conversas

    ResponderEliminar
  4. A verdade é que as pessoas não estão mesmo para ser incomodadas. Até têm pena e tal, mas acham que pouco podem fazer e acabam por não fazer mesmo nada. Há um grande egoismo na maioria dos seres humanos. Cada um luta pela sua sobrevivência sem se incomodar com os outros.

    Belo poema.
    Parabéns

    FC

    ResponderEliminar
  5. Somos rápido realmente em condenar!
    Bjinhos da Madrasta!

    ResponderEliminar
  6. Parabéns pelo poema, que diz tão bem da vida dessas pessoas marginais. E também da hipocrisia da sociedade.

    Abraços,
    Pedro.

    ResponderEliminar
  7. Retrato fiel de uma sociedade cruel, capitalista e hipócrita; nada mais real do que este poema e esta foto. Parabéns por trazer poemas assim que falam do social e não só de amor e saudades...

    Meu carinho
    Tais luso

    ResponderEliminar
  8. Felizmente ainda há quem se preocupe em despertar consciências com iniciativas destas!
    As pessoas andam adormecidas nas suas vivências. Não se importam nem com o vizinho do lado!

    Ana Afonso

    ResponderEliminar
  9. É a realidade nua e crua do nosso país! Tdo é jogado pra sociedade, quando eles(governantes)que teriam que cuidar, proteger, educar, e proporcionar a essa gente uma vida digna, humana.
    Bjos.
    Waleria Lima.

    ResponderEliminar
  10. tem modesto presente para vossa pessoa lá no poema e filosofia.
    abraço!

    ResponderEliminar
  11. EU AMO TANTO ESTE POEMA! Vês? Era isto que tu devias fazer: um livro de poesia! Tens tanto jeito...

    ResponderEliminar